sexta-feira, 5 de junho de 2009

A QUEDA DO AVIÃO E O "TESTEMUNHO" DO PASTOR



A voz de Deus salvou do voo 447 da Air France o pastor missionário da Assembleia de Deus em Paris, Gláucio Oliveira, 29 anos. O religioso já tinha reservado um lugar no avião que caiu no Oceano Atlântico, quando recebeu, na última quinta-feira, uma ‘ordem’ para não prosseguir com a viagem. O recado foi dado por uma amiga. Jussara Gonçalvez, 37 anos, participava de um grupo de orações e foi chamada pela colega Renata Carnevale, 30, que dizia ter recebido uma mensagem do Senhor. “Não deixe o varão viajar, a cova dele está aberta. Ele vai morrer”, afirmou Renata. Chorando muito, Jussara ligou na mesma hora para o pastor. Assustado, Gláucio não confirmou a reserva: “Eu ia de TAM no sábado, mas, desde que um amigo, também pastor, morreu num acidente da empresa, eu só voo de Air France, que considerava o melhor avião do mundo. Mas Deus me enviou a Renata, que recebeu a revelação de que, se eu entrasse naquele avião, minha cova estava aberta. Nós só nos vimos uma vez, ela nem sabia que eu ia viajar. Por isso, quando a Jussara me transmitiu a mensagem, fiquei apavorado. Orei a Deus e senti no coração que não devia ir. Ele foi fiel a mim, porque sempre lhe obedeci”. Renata, a mulher que salvou a vida do pastor, está de cama desde a manhã de segunda-feira, quando soube da queda do avião. Por telefone, ela confirmou ter recebido uma mensagem de Deus: “Não foi visão, eu apenas entreguei um recado do Senhor”

Fonte: Jornal Meio-Dia Edição de 3/06/2009
Via: Bereianos, Pavablog, Genzinah e Cristiano Santana.


É uma pena perceber que nós, cristãos, perdemos a dimensão da eternidade em nós. Nós estamos tão massacrados pelo tempo e pelo espaço, e a religião se transformou num megafone que faz propostas e promessas de suposto cumprimento imediato, e que roubou do coração das pessoas toda fé na eternidade. O que temos é corredor de sal grosso para você passar 30 vezes, e se passar bem passado, e freqüentar a reunião da corrente dos empresários, ou se entrar em qualquer outro sistema, em qualquer outra mecânica espiritual, no fim, diz-se que você pode ter um carro novo, um apartamento ou qualquer outra coisa. Não tem mais Cruz, não tem mais sangue, não tem eternidade, não tem pacificação com Deus. O que se tem agora é simplesmente consumo. E essa fézinha que está aí...na hora em que o tranco da existência bate firme, bate forte e bate fundo na gente, ela não sobrevive, porque ela existe apenas por fazer a promessa de que se você cumprir determinadas coisas, alguns benefícios imediatos lhes serão garantidos; nada mais do que isso... Agora, paz com Deus, tem que produzir em mim uma expectativa que transcenda o tempo, o espaço, o imediato, a violência, o estado de emergência, a crise familiar, as perdas imediatas, os lutos, as aflições.

Paulo diz em Romanos 5:1-8: "que Cristo morreu por nós, quando nós ainda éramos pecadores”, estranhos, inimigos, alienados, sem saber de coisa alguma, Ele se reconciliou conosco, esperando apenas que a gente se reconciliasse com Ele para que nós usufruíssemos do bem que já nos está garantido. De tal modo que a minha reconciliação pela fé, não é o que faz Deus mudar de idéia a meu respeito. A reconciliação da parte de Deus já está feita, eu é que não sabia. Nem você. E, enquanto isso..., vivíamos no padecimento da neurose, da angústia, da fobia, da culpa, das trocas, das barganhas, do altar da religião, do despacho, e de todas as aflições... Aquela agonia! Sem falar que sem paz com Deus a vida passa a acontecer um permanente estado de suspeição contra o céus. “Será que alguma coisa aconteceu comigo? Ih, meu Deus! Eu perdi o Táxi. Será que é por que tem alguma coisa? Será que Deus está me preparando alguma?” É um sentimento de suspeição o tempo todo! O cara chega no aeroporto, na hora de pegar o avião, ele tem medo de que se aquele avião vá cair; ou se ele está ali e ele perde o avião, ele já interpreta aquilo: “Ai, graças a Deus, vai ver que é porque esse vai cair.” Não está nem preocupado com os 199 que estão lá dentro! Sim, a maioria vive vida muito miserável. A gente vive, e a gente não se dá conta de como se vive uma vida de medo, medo, medo... o dia inteiro medo... medo de tudo. Mas quando a paz com Deus se estabeleceu dentro de mim, o benefício é todo meu. Já está feito, eu é que não sabia. Mas quando eu creio, o benefício vem para mim como paz. E ai, surge dentro de mim, uma dimensão completamente nova, que transcende o imediato. Eu continuo vivendo na terra, mas já me glorio na esperança da glória de Deus. Já não existem mais fatalidades. Já não existe mais absurdo. Já não existe mais interrupção da vida. Quem crer na minha palavra já passou da morte para a vida. Já há uma âncora firme e forte jogada para além de todos os véus, plantada em Deus, e que me garante que eu, conquanto esteja aqui, já estou lá, assentado nas regiões celestiais em Cristo Jesus. Morri com Ele, ressuscitei com Ele, estou sentado nos lugares celestiais com Ele, apesar de estar suando aqui na frente de vocês... Tá feito! E eu me glorio nessa esperança.

18 comentários:

Anônimo disse...

DEUS E FIEL E ELE GUARDA OS SEUS ALELUIA,NO TINHA PRINCIPE,MAESTRO, ENGENHEIROS ETC... E NOSSO DEUS GUARDOU VOCE. AMEM?

Cristiano Santana disse...

"Porque, se vivemos, para o Senhor vivemos; se morremos, para o Senhor morremos. Quer, pois, vivamos ou morramos, somos do Senhor. " Romanos 14:8

Prezado Pastor Juber

O que os cristãos precisam entender é que a vida eterna é uma dádiva que já teve início agora, na nossa existência terrena. Dessa forma, o nosso relacionamento com Deus é considerado como uma experiência contínua e infinita.

Infelizmente as pessoas enxergam a morte como uma interrupção brutal do ser, como se mediante ela toda a nossa existência fosse aniquilada, lançada nas trevas do nada, onde não habita a vida e o pulsar do coração. Nada mais estranho à genuína fé cristã, para a qual a morte é um rápida transição de uma dimensão para outra, superior em todos os aspectos, isso para os salvos.

São poucos que pensam como Paulo que dizia que estar com o Senhor (morrer) é algo infinitamente melhor.

Sei que é difícil para nós pensar dessa forma pois carregamos em nós o instinto básico de sobrevivência. Aqui nascemos, crescemos, casamos, nos alegramos, choramos, etc. Mas é inevitável que o cristão maduro, depois de muitos anos de experiência com o Senhor, comece a enxergar esse mundo com outros olhos, considerando-o apenas como uma sombra de algo muito melhor à frente. A partir dessa constatação o crente passa a gemer junto com toda a natureza, ansiando, desejando, a redenção eterna: novos céus e nova terra.

um grande abraço.

Cristiano Santana

Juber Donizete Gonçalves disse...

Caro Anônimo,

Em Lucas 13:1-5, está escrito o seguinte: "E, Naquele mesmo tempo, estavam presentes ali alguns que lhe falavam dos galileus, cujo sangue Pilatos misturara com os seus sacrifícios. E, respondendo Jesus, disse-lhes: Cuidais vós que esses galileus foram mais pecadores do que todos os galileus, por terem padecido tais coisas? Não, vos digo; antes, se não vos arrependerdes, todos de igual modo perecereis. E aqueles dezoito, sobre os quais caiu a torre de Siloé e os matou, cuidais que foram mais culpados do que todos quantos homens habitam em Jerusalém? Não, vos digo; antes, se não vos arrependerdes, todos de igual modo perecereis".

Foi isso que Jesus disse sobre as calamidades, sem muita explicação.

Juber Donizete Gonçalves disse...

Irmão Cristiano,

Concordo com você que os cristãos precisam entender que a vida eterna é uma dádiva que tem início agora. O problema é que em tempos de evangelho da prosperidade, o pessoal está pior que na Idade Média, porque naqueles tempos, eles ainda tentavam vender o céu, hoje é o negócio é só na terra mesmo.

Grande abraço.

Ednaldo disse...

Paz pr. Juber,

Havia lido esta mesma notícia no blog do irmão Cristiano Santana, e como ele escreve em seu artigo esse pastor/missionário deveria antes de alardear aos quatro ventos o livramento recebido, pois creio que Deus o livrou, perguntar a Deus o motivo de ter sido poupado. Espero que ele um dia possa dizer como Paulo "Para mim o viver é Cristo e o morrer é lucro".

Em Cristo,

Ednaldo.

Juber Donizete Gonçalves disse...

Ednaldo,

Quando a gente lê o capítulo 11 de Hebreus sobre os heróis da fé, vemos os que pela fé fecharam bocas dos leões, atravessariam rios e mares a seco, derrubaram muralhas, venceram exércitos. No entanto, a partir do versículo 36, nos lemos que outros experimentaram escárnios e açoites, e até cadeias e prisões. Foram apedrejados, serrados, tentados, mortos ao fio da espada, andaram vestidos de peles de ovelhas e de cabras, desamparados, aflitos e maltratados. Dos quais o mundo não era digno, errantes pelos desertos e cavernas da terra.

Se fala muito hoje sobre os primeiros, mas esquecem que os últimos citados, foram também grandes heróis da fé.


Abraço e obrigado pela participação.

Robson Silva de Sousa disse...

Prezado irmão Juber,

Também comentei o acontecido pelo Blog do nosso irmão Cristiano Santana... Mas quero ratificar nesse espaço que embora não seja cético quanto aos testemunhos de livramentos de cristãos em ocasiões das mais diversas, o testemunho público pode constituir um desrespeito às famílias e à memória dos vitimados...

Como cristãos temos que ser prudentes como as serpentes e mansos como as pombas...

Ademais, é preciso termos em mente que o mesmo Deus que livrou Pedro da Cadeia, não o livrou o livrou da morte pela cruz; que livrou Paulo de naufrágios, mas não o livrou da condenação e morte em Roma (provavelmente por decapitação); que chamou João como precursor do Messias, mas não o livrou da decapitação; nem Tiago, nem Felipe, nem Matias, nem Mateus, nem João...

Para os que se prendem a eventos e livramentos pontuais, mas são IGNORANTES acerca dos que dormem ou sofrem pelo evangelho, deixo os seguintes versos:

“Não quero, porém, irmãos, que sejais ignorantes acerca dos que já dormem, para que não vos entristeçais, como os demais, que não têm esperança. Porque, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também aos que em Jesus dormem Deus os tornará a trazer com ele. Dizemo-vos, pois, isto pela palavra do Senhor: que nós, os que ficarmos vivos para a vinda do Senhor, não precederemos os que dormem.” (1Ts 4:13-15);

“E outros experimentaram escárnios e açoites, e até cadeias e prisões. Foram apedrejados, serrados, tentados, mortos a fio de espada; andaram vestidos de peles de ovelhas e de cabras, desamparados, aflitos e maltratados (homens dos quais o mundo não era digno), errantes pelos desertos, e montes, e pelas covas e cavernas da terra. E todos estes, tendo tido testemunho pela fé, não alcançaram a promessa, provendo Deus alguma coisa melhor a nosso respeito, para que eles, sem nós, não fossem aperfeiçoados.” (Hb 11:36-40).

Em Cristo Jesus,

Robson Silva
Prossigo para o Alvo... Fp 3:14

Juber Donizete Gonçalves disse...

Irmão Robson Silva,

Obrigado pela rica exposição. É isso mesmo, o Deus que livrou Daniel da cova dos leões, permitiu que muitos cristãos fossem martirizados nas arenas por leões, na época do Império Romano. Para o ser humano, a morte é o fim, para Deus não.

Grande abraço.

Pr. Carlos Roberto disse...

Caro Pr. Juber,
A Paz do Senhor!

Concordo plenamente com seu pensamento.
Infelizmente, a mentalidade atual, via de regra, é tão rasa, que é possível alguém nos julgar de descrentes.

A fala mais otimista para um "aviso de Desu", dessa natureza, concentra-se no fato de um propóstio específico para aquela pessoa.

Segundo a Palavra de Deus, aqueles que haviam entregue suas vidas ao Senhor Jesus ainda em tempo, passaram para uma vida muito melhor.

Parabéns pela exposição.

Um grande abraço!
Pr. Carlos Roberto

Claudio Silva disse...

Este cristianismo de mercado, do "aqui e agora" não tem o poder e pacificar e conciliar o homem com Deus, este está sempre a mercê de uma maldição ou de uma armadilha ou do acaso e a esperança vindoura é um mero exercício que a priori é postergado quando todas as bençãos forem conquisatadas "nesta vida" , não é a toa que um cãntico muito entoado nas congregações fala " Eu não morrerei enquanto
O Senhor não cumprir em mim
Todos os sonhos que ele mesmo
Sonhou pra mim..".

Muito bom seu texto sobre o Gláucio Oliveira

Juber Donizete Gonçalves disse...

Prezado Pr. Carlos Roberto,

É verdade, com essa mentalidade de barganhas que se vê, pode-se ser tomados como descrentes mesmo. Essa "fé" que tem que ser sentida, palpável, não é a fé de Hebreus 11, pois lá diz que: "a fé é a certeza das coisas que se esperam, e ainda não viram".

Grande abraço.

Juber Donizete Gonçalves disse...

Cláudio,

Nesse "cristianismo de mercado" como você disse, fica difícil entrar o livro de Jó, de Lamentações e de Eclesiastes. Nesses livros mostram calamidades acontecendo com os justos. Mas esta não é uma mensagem "popular" e que dá "ibope", não é mesmo?

Obrigado pela visita e pela participação.

leo268 disse...

animal o texto!

Vitor Grando disse...

Se Deus o salvou eu não sei, só sei que posar pra capa do jornal sorrindo por ter sido "salvo" de um desastre que acabou brutalmente com a vida de 228 é, no mínimo, uma idiotice.

Juber Donizete Gonçalves disse...

Leo,

Obrigado pela visita e pela participação.

Abraço.

Juber Donizete Gonçalves disse...

Vitor,

Ele testemunhar o livramento que recebeu tudo bem, o problema foi "como" fez isso. Aparecer numa foto, com a Bíblia Pentecostal na mão e com uma sorriso de ganhador da Loteria, enquanto as famílias dos que morreram no acidente, estão na maior angústia é no mínimo uma insensibilidade tremenda e falta de solidariz com a dor do próximo. É aquela mentalidade de "sou filho do Rei" o mundo que se exploda! Uma discurso triunfalista egoísta que não coaduna com o Evangelho e o ensino de Jesus de Nazaré.

Abraço.

Danilo Fernandes disse...

Navegando por ai achei seu blog. Surpresa boa. Vou segui-lo a partir de agora. Quando tiver um tempinho, vá visitar meu blog também, o Genizah.

A paz!

Danilo


http://genizah-virtual.blogspot.com/

Juber Donizete Gonçalves disse...

Danilo,

Obrigado pela visita e pela participação. Já visitei o seu blog e deixei um comentário lá.

Abraço.