Postagens

Mostrando postagens de Agosto 13, 2017

Pr. José Wellington defende Michel Temer e Malafaia apoia Dória para presidente

Imagem
Durante um culto recente num templo da Assembleia de Deus em São Paulo, o pastor José Wellington Bezerra da Costa fez um comunicado que considera importante: “Há um interesse político muito grande daquela turma que destruiu o Brasil, que levou o Brasil ao estado que nós estamos, de chapéu na mão, trabalhando para votar ao poder”. Embora não tenha mencionado nominalmente, fazia uma referência ao Partido dos Trabalhadores. Ele defendeu diante da Igreja por que os pastores da Assembleia de Deus que são deputados federais ficaram ao lado do presidente Michel Temer na votação que impedia a investigação sobre as acusações de corrupção e que poderia resultar em um novo impeachment no país. Respondendo a um membro da igreja que questionou a decisão dos pastores-deputados, José Welligton – que foi presidente da CGADB por muitos e continua muito influente na denominação – repetiu o discurso feito por vários políticos ao justificarem seus votos pró-Temer. Admitindo que influencio

Agenor Duque irrita católicos ao ridicularizar “Nossa Senhora” e compara santos com uma Coca-Cola

Imagem
Assim como aconteceu recentemente com um vídeo do pastor Cláudio Duarte, católicos estão enfurecidos com uma pregação de Agenor Duque sobre a idolatria. Embora não seja novo, um trecho de uma pregação dele começou a circular nas redes sociais e no Youtube esta semana com uma edição que coloca a imagem de “Nossa Senhora Aparecida” sobre uma garrafa de Coca-Cola. É que na versão original, ele utiliza uma garrafa de refrigerantes para ilustrar sua opinião sobre os santos que são cultuados por católicos e, embora não os cite nominalmente, faz menções à imagem mais conhecida de Aparecida e a São Jorge, santo tradicionalmente representado sobre um cavalo. Dirigindo-se a telespectadores de seu programa que possuem imagens em casa, Agenor comparou-as a uma garrafa de Coca-Cola, além de parafrasear um trecho do Salmo 115: “a boca dela não fala, o ouvido dela não ouve”. Ao mesmo tempo que dizia estar falando da garrafa, citava características conhecidas das figuras católicas, como o uso