Postagens

Mostrando postagens de Outubro 18, 2015

Os heróis da fé seriam nossos heróis hoje?

A gente fala muito dos heróis da fé da Bíblia, livros são escritos sobre eles, filmes são feitos, pregações e hinos os mencionam. Aliás, algumas canções gospel e pregações falam mais de Elias, Josué, Gideão, Davi do que em Jesus. Mas a pergunta que eu faço é a seguinte: se muitos personagens da Bíblia vivessem hoje seriam tratados como heróis ou hereges nas igrejas evangélicas? - Qual igreja gostaria de ter Sansão como membro? - Em qual grupo de louvor Davi cantaria? - Jeremias seria ordenado pastor em algum ministério? - João Batista seria considerado profeta hoje, ou um maluco esquizofrênico? E Jesus? Se aparecesse hoje, sem fazer nenhum grande milagre, apenas falando o que ele falava? Seria aceito ou o excluiriam da igreja? Em qual ministério ele teria espaço? Os “novos donos da religião” o tratariam diferente dos chefes do Sinédrio? Se a todas essas perguntas respondermos com a desculpa de que os tempos são outros, então, alguma coisa está errada conosc

Subsídio para EBD - A queda da raça humana

Imagem
  Um assunto que não se pode furtar a comentar nessa lição é sobre a origem do pecado. São os mais diversos, os conceitos que ao longo da história surgiram acerca da origem do pecado no mundo. Irineu, bispo de Lyon, na Asia Menor (130-208), foi, talvez, o primeiro dos Pais da Igreja Antiga a assegurar que o pecado no mundo se originou da transgressão voluntária de Adão no Éden. Muitas outras opiniões quanto ao assunto surgiram desde então. Por exemplo, os gnósticos ensinavam que o contato da alma com a matéria era que a fazia imediatamente pecadora. Esta teologia, despojou o pecado do seu caráter voluntário e ético, como o é apresentado nas Escrituras. Os ensinos da Igreja do Ocidente quanto à origem do pecado tiveram seu ponto mais alto na pessoa de Agostinho que viveu entre 354 a 420 da nossa era e foi bispo de Hipona, no norte da África. ele insistiu no ensino de que em Adão nos encontramos culpados e maculados. Os teólogos chamados semi-pelagianos, admitiam que a manch