Postagens

Mostrando postagens de Janeiro 24, 2010

Usando o nome de Jesus para falar do diabo

O diabo possui muitas caras, se transformando conforme diz Paulo, até em anjo de luz para enganar. C.S. Lewis escreveu um livro maravilhoso sobre o assunto: Cartas do Inferno. Mas quem é hoje o pior diabo? É aquele diabo que fala em nome de Jesus e esconde atrás do invólucro a própria alma do diabo confessada como espírito divino. Não se trata de falar de um deus. Assim é fácil discernir! O problema é quando o diabo é afirmado, só que o nome usado é o de Jesus. Essa magia negra não está longe de nenhum de nós. Tem muita gente oprimida por esse diabo. Gente boa e gente crente sofre muito dessa opressão. Ontem uma senhora me falou que quase enlouqueceu na mão desse diabo que falava em nome de Jesus tudo aquilo que Jesus não era. Acontece todo dia nos lugares mais sagrados. Estão falando do nome de Jesus. Mas o ser que descrevem é o diabo, não Jesus. O Nome de Jesus tem que carregar o conteúdo do Evangelho. Se não, é diabo! Fica impossível pensar que o ladrão ve

O SILÊNCIO DE DEUS

Durante este mês, lemos pela internet, algumas teorias sobre o terremoto no Haiti, sejam elas científicas ou teológicas. Houve até polêmica, quando as correntes de pensamento se chocaram, entre que falam que foi Deus que puniu o povo, pela religião vodu e quem dizia que Deus não teve nada a haver com o desastre. Ambos citam a Bíblia para provar suas teses. Outros passaram para o lado das lamentações, dizendo como o Papa Bento XVI disse quando visitou o campo de concentração na Polônia: "Onde estava Deus?" Isso serve para nos mostrar que não há regras ou fórmulas teológicas para serem aplicadas ao silêncio de Deus. Quando Deus não falou, o melhor que faço é estar calado. Ou então ter coragem de falar apenas em meu próprio nome. No silêncio de Deus é melhor falar como ateu sensato do que como profeta devoto, que põe na boca de Deus lindas palavras que ele não disse. No silêncio de Deus, o homem tem total direito à palavra. Mas tal direito deve ser exercido em nome do homem, co