Pular para o conteúdo principal

A GRANDE DESEVANGELIZAÇÃO

Temo muito pelo que vou dizer, mas devo fazê-lo por uma questão de consciência, com temor e tremor. Tenho como certo que se nada acontecer aos evangélicos, se continuarem seguindo este presente caminho, se tornarão, historicamente, o fator mais decisivo quanto a empurrar a classe media reflexiva, os intelectuais, e todos os que buscam uma fé ou uma filosofia que almeja por ter paz na alma já agora, na Terra, para os braços do Budismo, do Taoísmo, e algumas outras religiões ou filosofias que oferecem um caminho para a pacificação do ser; seja isto pela via da respiração, da meditação, das mantras, da harmonização corpo-alma, do silêncio, ou da contemplação interior, no coração; e exterior, na criação. E isto já está acontecendo, e, se nada mudar nos evangélicos, crescerá em larga escala. Alguém pergunta: o que os evangélicos têm a ver com isto? Não são eles os maiores combatentes de tais coisas? Acredito que, o catolicismo tende a crescer entre os pobres do interior, e entre os esotéricos que descobriram “Nossa Senhora”, como Elba Ramalho. Mas pouco poder terá entre os da classe média pensante. Os evangélicos também continuarão a crescer, especialmente esvaziando os cultos afro-ameríndios, que, enfim, encontraram nos Neo-Pentecostais a versão evangélica da macumba, com todos os conteúdos e sistemas idênticos, e com o mesmo modo de barganha com a divindade, sendo também as “bênçãos” todas de natureza peculiar à macumba: juntar casais, abrir portas para negócios, separar amantes, conseguir prosperidade material, e todas as demais coisas que os feiticeiros e feiticeiras sempre ofertaram à humanidade. No entanto, assim como já não conseguem, deixarão completamente de ter a capacidade de alcançar os que sentem e pensam com categorias existenciais mais refinadas. Além disso, sinto que há uma grande quantidade de jovens evangélicos se interessando cada vez mais pelas filosofias orientais. Ora, isto está acontecendo porque os evangélicos não têm mensagem para a alma, nem para a pacificação do ser, visto que, eles próprios, em geral, são as pessoas mais neuroticamente aflitas que se conhece à volta. A lei, o orgulho, a vaidade, o dinheiro, o mercado, a vangloria, a fama, o culto à imagem, o comportamentalismo, o moralismo, a superficialidade, as taras, as piedades austeras e feias, as divisões, os ciúmes, a picaretagem, o formalismo, a fixação no controle das pessoas, as jogadas políticas, a venda de votos, as negociatas, as lavagens de dinheiro, e a grotesca hipocrisia, tornaram os evangélicos insuportáveis até para os evangélicos mais sensíveis, e que, muitos deles, não tiveram um encontro com Jesus, mas apenas com o “Jesus Evangélico”, e que é apenas um ser criado para seduzir as almas aflitas; mas que é esquecido e substituído pela igreja, tão logo aquele que creu entre para o seu inventário de bem ativo. Estou assustado com a quantidade de jovens que estão simpatizando com muitas filosofias orientais, pois que por elas se sentem muito mais tranqüilizados para viver. Recebi alguns e-mails com este conteúdo; e também de filhos de pastores, que me pedem para que não divulgue seus e-mails no blog. O que dói é que não há nada nesta vida que de fato mais possa pacificar o coração, que a certeza da total reconciliação com Deus, conforme e Boa Nova. No entanto, quando a “igreja” prega, em geral, ela falsifica Jesus, pois o apresenta de modo a se parecer com um ídolo. O “Jesus da igreja” é uma afronta a Jesus de Nazaré. Por vezes chega a ser um anti-cristo, de tão desconstrutivo que é em relação a Jesus, conforme o Evangelho. De fato, gente, ou todos nós, a uma e também individualmente, nos convertemos ao Evangelho, conforme Jesus, ou veremos um dos mais feios desastres acontecerem, feito em nome de Jesus, mas realizando a obra do diabo. Sei que o que estou dizendo é sério. Há vários evangelhos sendo pregados. Há aquele que pedra. Há aquele que dissolve. Há aquele que imbeciliza. Há aquele que faz magias. Há aquele que só cuida das coisas desta vida. Há aqueles que é só comportamento. Há aqueles que é luta aflita contra o diabo. Há aqueles que é total mornidão. E há aqueles que é uma boa religião. Nenhum deles gera no ser o bem do Evangelho da Graça de Jesus! Se nada mudar... Infelizmente, é verdade. Mas ainda há tempo de nos convertermos ao Evangelho, puro e simples, e rompermos com o diabo da teologia moral dos fariseus, e mergulharmos, de cabeça, sem medo, no bem da reconciliação feita e consumada, indissolúvel, inquebrantável, eterna e imutável; e que é bem de paz e tranqüilidade para o coração; especialmente no tempo presente; pois que bem me faz uma salvação que não começa já hoje, como pacificação do coração? Quem já passou da morte para a vida tem que começar a experimentar a eternidade como vida abundante, em paz e contentamento, não pelo que tem e consegue como bem material, mas como alegria pela vida no bem eterno, e que é o chão da vida de todo aquele que conheceu, de fato, a Graça de Jesus.

Comentários

  1. Pastor Juber a Paz,

    Sua mensagem, ou desabafo, me apertou o coração, pois são verdadeiras.

    Este fim de semana em minha congregação, celebramos mais um aniversário da união de adolescentes. Como é de praxe o nosso pastor envia preletores para "trazer uma mensagem do coração de Deus" a igreja.

    O texto base era Ez 37:25-28, no primeiro dia sábado o preletor leu a partir do verso 21, ao que pensei deve sair algo de bom já que o contexto foi ampliado, mas que nada, foi somente "zoada", não citou sequer uma vez o Nome que é sobre todo nome, apenas "promessas de vitória". No segundo dia, ontem, outro preletor leu e pregou na mesma passagem, mas mesmo com menos "zoada" e uma abrangencia pouco maior, só disse um nome Jesus uma vez, e ainda assim em forma de doxologia. Isso me angustia muito, dá vontade de levantar do banco e gritar "A CRUZ, APONTA PARA A CRUZ E PARA AQUELE QUE MORREU POR NÓS!!!", até briquei num comentário com minha esposa que "se o pastor enviar mais uns quatro obreiros talvez sai alguma mensagem".

    Como o senhor intitulou a postagem estamos vivendo uma "grande desevangelização"

    Em Cristo,

    Ednaldo.

    ResponderExcluir
  2. O Problema das Igrejas é que transformam Jesus em SuperStar,isso é muito comum em todas,aí vira adoração por adoração e os príncipios litúrgicos são deixados de lado.
    E quando a adoração já não traz mais a Paz ao Espírito por que é uma adoração vazia,sem o significado do que realmente importa,as pessoas vão procurar em outras doutrinas a Paz que necessitam...

    ResponderExcluir
  3. Roger,

    É forte mesmo. No entanto, é uma preocupação verdadeira com o rumo que as coisas estão tomando.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  4. Ednaldo,

    Hoje em dia, pouco se prega sobre Jesus, fala-se mais em "dia de Elias", "ano de Josué", "culto da vitória de Eliseu" e assim por diante. Como você disse é só "promessas de vitória", muitas vezes pregada sem texto e contexto.
    Que Deus nos ajude!

    Abraço.

    ResponderExcluir
  5. Aline,

    O "Jesus" que andam pregando e vendendo por aí, é uma perversão de Jesus de Nazaré, do Ele é, e do seu ensino no Novo Testamento. Está mais para "um outro evangelho" que Paulo adverte em Galátas.

    Obrigado pela participação.

    ResponderExcluir
  6. Graça e Paz, Pr. Juber!


    É uma triste constatação. Vivemos um crise muito grande. O Evangelho é pervertido tremendamente. Nunca houve tantas igrejas, tantos programas na televisão e pouquíssimo do Evangelho sendo pregado.

    Que Deus tenha misericórdia de nós!

    Um abração!

    ResponderExcluir
  7. Marcos Wandré,

    Os programas na Tv aberta, não pregam a salvação pela fé e graça em Jesus Cristo. É só cura, prosperidade, proganda pessoal ou denominacional, venda de produtos. Sinceramente, tem hora que é mais fácil, ouvir o pessoal da Canção Nova, Rede Vida (católicos), do que os programas evangélicos. Lembrar de programas radiofônicos como os do saudoso Lawrence Olson, ou do "Pare & Pense" na extinta TV Manchete nos anos 90 e ver o que aí está. É triste.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  8. Pastor Juber,paz!(e sei que o senhor goza dela assim como eu também).

    Porque temor?Se tudo que o senhor falou já foi dito por aquele amigo nosso que admiramos muito e sempre que postamos algo dele nos nosso blogs todo mundo xia,rsrs.Só que o senhor abordou tal assunto de uma forma que ainda não tinha visto ou lido dele.É um fator novo e uma percepção nova que jamais me daria conta.E louvo a Deus por ele ter lhe dado tal capacidade e percepção.

    Os "apresionados da alma" (consciência cativa na religião) nem ao menos entenderão a profundidade de tal texto, mas aqueles que de muito já deixaram o "jesus denominacional" e abraçaram o Jesus dos Evangelhos, discernem facilmente o texto, e discernem com muita tristeza,posto que o senhor tocou em uma "chaga mortal" do cristianismo pós-moderno.O único caminho é se desvencilhar do "jesus denominacional" e abraçar o Jesus dos Evangelho, onde as religiões de hoje nada tem com ele.

    Foi por perceber isso que abandonei meu "reduto eclesiástco".Ser membro de uma denominação é "facil",mas ter um cargo dentro de qualquer denominação e querer viver a Verdade Simples do Evangelho é IMPOSSÍVEL,pois a "conduta moral" de um "encarregado" da religião tem que se adequar a religião,não à Jesus. Eu sei e muito bem do que estou falando.

    Com os devidos créditos, estarei postando essa post/alerta para todos os meus leitores.
    Grande abraço pastor e continue na paz que excede todo o entendimento!

    ResponderExcluir
  9. Ednelson,

    Eu da minha parte continuo na denominação, a qual sou membro há quase 27 anos. Estou pregando a Palavra. Se um dia não deixarem mais, aí é outra história. No entanto, sei que cada um tem sua experiência pessoal, a própria Bíblia, diz que a "fé que tens, tenha para ti mesmo".

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  10. Pastor Juber, Graça e Paz

    Lendo seu post relembrei o porque de ter me convertido e não foi por causa do Jesus Evangélico, mas por causa do Jesus de Nazaré que conheci de maneira fictícia por um livro (Cavalo de Tróia de J.J.Benitez). Busquei e busco até hoje por esse Jesus, que se fez grande se fazendo pequeno. Não o encontrei em igrejas enormes, em templos talhados a folhas de ouro, lá só encontrei pastores de ternos de alfaiates particulares, gravatas italianas e prendedores de ouro com pedras preciosas, nada parecido com as sandálias usadas por Jesus.
    Hoje uso meu discernimento e busco conhecimento. Por vezes sou chamada de 'irmã Aurélio' porque tento descobrir o significado de algumas palavras e frases e quais suas aplicações reais.
    Graças a Deus estou em uma igrejinha de fundo de quintal onde conheço o Jesus de Nazaré e seus ensinos e continuo buscando aprender mais, por isso estou no seu blog nesse momento. Que Deus continue te dando o dom do ensino de Sua Palavra.

    ResponderExcluir
  11. Cláudia Nunes,

    Obrigado pela visita. O "Jesus" construído pelas religiões só pode ser encontrado nos templos, tem mediadores como pastores, profetas, bispos, apóstolos, padres, etc. O Jesus da Bíblia, a gente encontra em todos lugares, visto que mesmo que congreguemos em templos, somos primeiro chamados para sermos templos vivos. Ele é o nosso sumo-sacerdote e todos os salvos Nele, são sacerdotes diante de Deus. Esse é o ensino do Novo Testamento e era o do ínicio da Reforma, mas hoje é ensinado um Deus fixo, com tempo e hora marcada. Jesus disse o Reino de Deus está em vós, Lc 17:20.

    Graça e paz sobre sua vida.

    ResponderExcluir
  12. Dileto Pastor Juber,

    Graça e paz.


    Após ler os comentarios assaz convictos coesos e não obtusos, a apenas o eco das suas palavras preocupadas e sem maquiagem.


    O tema abordado aqui sem rodeios, é abortado nas assembleias, o que o povo evangelico não quer, com tudo permanesem atordoados, como disse Oseias "um povo que recusou o conhecimento será atordoado" fingir que não ha um problema nosso? não podemos...esse ludibriado povo só almenta, 'mas não adianta ser
    milhões se não somos um, sem união é impossível a Revolução.

    Vamos orar!

    Abraço.

    ResponderExcluir
  13. Caro Pastor Juber,

    Há muito tempo eu não lia um texto que retrate tão fiel e tristemente a realidade da igreja (chamada) evangélica no Brasil. Me parece que o tema "desevangelização" deve ser amplamente repercutido e debatido. Gostaria de obter a sua autorização para reproduzir este texto no meu blog e divulgá-lo ao maior número de pessoas, citando a fonte, obviamente. Peço a Deus que alertas como este despertem as consciências passivas dos cristãos brasileiros. A Deus toda a glória!

    Graça e paz!

    ResponderExcluir
  14. Deus tenha misericórdia de nós, realmente eu como crente , evangélico, pentecostal ou não mais pentecostal ou sei lá o que estou me tornando insuportavél, cheio de culpa, de recalque. inveja,hipócrisia, falso moralismo,falsa pureza,Deus tenha piedade de mim!Estou a ponto de explodir, mas quero paz na minha alma, quero ser pacífico, quero amar o próximo, sem olhar sua roupa,sua vida, seu dinheiro,me salva Senhor!!!!Irmões orem por mim!Pastor seu texto me tocou profundamnete!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Deus predestinou uns para salvação e outros não - É isso que a Bíblia diz?

Antes de começarmos a análise, convém que vejamos algumas definições: O que é livre arbítrio? Livre arbítrio é um princípio bíblico que declara que o homem é livre para tomar decisões, para decidir a questão do seu destino. O que é predestinação? Predestinação pode ser definida no sentido geral e no sentido bíblico. No consenso popular, seria crer que Deus traçou um plano para nossa vida e devemos segui-lo sem o direito da escolha. Em outras palavras - somos autômatos, desempenhando um papel previamente estabelecido por Deus. No sentido bíblico, a predestinação seria o decreto de Deus que possibilita a salvação a todos os que aceitarem a Cristo. Calvino, ampliando idéias já antes defendidas por Santo Agostinho, afirmou que desde a antiguidade Deus estabeleceu dois decretos: Um selecionando um grupo para a salvação ou vida eterna, e um outro decreto selecionando aqueles que serão destruídos. O próprio Calvino qualificou-o como "o terrível decreto de De

Ed René e a "atualização da Bíblia"

Meu comentário:  Se o Ed René ao dizer que a Bíblia precisa ser atualizada ele queria dizer que era a interpretação da Bíblia, então não vejo motivo para tanta gritaria que houve nas redes sociais a sua declaração. Se no entanto, ele queria dizer que é o texto da Bíblia que precisa ser mudado ou adaptado, aí já vejo um sério problema. O que eu quero dizer é que  a interpretação da Bíblia vem sendo atualizada há muito tempo. Ed René não inventou a roda. Começando no tempo da própria Bíblia. Vejamos: No livro de Hebreus: " Mas agora alcançou ele ministério tanto mais excelente, quanto é mediador de uma melhor aliança que está confirmada em melhores promessas.  Porque, se aquela primeira fora irrepreensível, nunca se teria buscado lugar para a segunda".  Hebreus 8:6,7 E mais: " Dizendo Nova aliança, envelheceu a primeira. Ora, o que foi tornado velho, e se envelhece, perto está de acabar". Hebreus 8:13 . Isso significa que há textos que não são imutáveis. Eles foram in

O sistema de governo eclesiástico da Assembléia de Deus

Sempre, na história das controvérsias cristãs, houve um luta para saber qual era o modelo de governo eclesiástico mais bíblico. O fato é que todos os modelos de governos eclesiásticos (congregacional, episcopal e presbiteriano) se baseiam no Novo Testamento. O episcopal concede o poder para o seu pastor ou bispo, o presbiteriano concede poder aos presbitério da igreja e o congregacional concede poder aos seus membros ou a um conselho de irmãos reunidos. Há tentações em todos os modelos. O episcopal pode concentrar um poder tão grande na mão do pastor, que ele se torna uma pessoa acima da crítica e não prestas contas a igreja. O presbiteriano pode criar uma elite dentro da congregação ou denominação, pois um pequeno grupo decide sobre os demais. O congregacional pode minar a autoridade do pastor local. Portanto, não temos como definir um modelo eclesiástico mais bíblico, pois todos tem pontos fortes e fracos. A Assembléia de Deus começou com um modelo congregacional bem definid